13 maio 2007

Journey, um poema do coração


Acredito que existe um poeta em cada um de nós. E, como li ontem durante o vôo de Bucareste para Madrid (em que o comandante era uma mulher! parabéns!), "qualquer um se torna um poeta quando tocado pelo amor". Assim, tocada pelo amor, há cerca de cinco anos atrás, escrevi este poema, que me é muito especial, apesar de ser fruto de uma dor imensa. É dedicado, com muito carinho, ao meu amigo lunar.

Journey

Encontraste a fonte.
Tens andado a beber a água da vida,
Que te faz bem, que te faz feliz.
Tens andado iluminado;
Exibes o cálice como se fosse o Graal,
Sedento de beleza e vida.
Corres como louco atrás da perfeição,
Do ideal narcisista,
Mas não entendes o que buscas.
No fundo, sentes-te vazio.
Já não sorris.
Mostras, sim, um orgulho desmesurado
Por teres atingindo a fonte inatingível.
Como conheço os caminhos que percorreste
Para chegar ao ponto onde a água nasce...
Mas também sei.
Sei que a água que bebes, um dia, perderá o sabor.
E nesse dia... nesse dia terás de descer com o rio
E aí chegarás ao mar.
O mar azul esverdeado.
Pois só o mar te poderá mostrar o que sentes.
Só no mar conseguirás ver para lá do espelho reflectido nas águas.
Só o mar te embalará ao ritmo das ondas
Até adormeceres.
Só aí poderás ser.
Porque a fonte pode matar-te a sede,
Mas só o mar te trará Vida.

4 comentários:

ArtisAna disse...

Lindo... lindo... lindo... um poema do coração sem duvida... temos artista ehehe :) um jinho mt grande

Serpentina disse...

És uma amiga-irmã e uma artista incrível. Que bom termo-nos reencontrado! Um abraço bem GRANDE!!!

jaime disse...

ops! o coração parou (por momentos!) com as tuas palavras. amor pra ti.

Anónimo disse...

Se imaginarmos os rios, os lagos e as fontes como extensões do mar, então teremos sempre um imenso mar mesmo que seja num pequeno charco. Poderemos sempre ver o azul esverdeado, podemos sempre mostrar o que sentimos e ver para lá do espelho. Haverá sempre um pouco de água para nos embalar ao ritmo das ondas e nos matar a sede. É todo este mar imenso que nos dá vida. Todos os dias mais um bocadinho…


O teu amigo lunar