19 maio 2007

A minha amiga Duda


Eu tive uma amiga que acompanhou dez anos da minha vida. Encontrámo-nos quando eu estava prestes a fazer dezanove anos. Acompanhou-me no estudo para os exames de Latim no primeiro ano da Faculdade, tarefa penosa e stressante. Trouxe-me luz na confusão que estava a minha vida. Acolhi-a com amor e uma entrega profunda, que me foi retribuída em cada dia, em cada olhar, em cada beijo ao acordar. Quando me lembro do seu olhar, do seu companheirismo, ainda choro. Às vezes, ainda a sinto por perto e, junto com a tristeza da sua ausência, sorrio e acolho-a.
A Duda era a minha cadela. Morreu envenenada, não sabemos bem como. Esperou eu ir de fim de semana a casa para um último adeus. Ainda lhe fiz reiki, numa tentativa desesperada de salvá-la. Mas ela sabia que não era para ficar, e afastou a minha mão. Morreu alguns dias antes do meu vigésimo nono aniversário. Tenho saudades da forma como me acolhia quando eu chegava a casa. De como ladrava de felicidade quando a levava a passear de carro. De como adorava café com leite e pão com manteiga. Com ela aprendi a compartilhar, a respeitar, a amar, a cuidar, a assumir responsabilidades. A vida dela marcou dois períodos muito importantes na minha vida: a sua chegada foi durante uma fase de solidão minha, e partiu quando encontrei o Amor. Foi como se soubesse que o seu papel na minha vida estava cumprido. E quando a peça de teatro, que é a vida, termina, há que deixar caír o pano e seguir em frente... para a próxima grande estreia!

4 comentários:

Guida disse...

Simplesmente LINDO. Estranho como conhecemos melhor as pessoas através do que escrevem do que nas conversas do dia a dia! Beijinho, Serpentina.

ArtisAna disse...

Como te compreendo amiga... por vezes vezes penso como será qdo me vir sem o meu Bolinha, o meu companheiro de todos os dias... provavelmente será assim... Lindas as tuas palavras...

Anónimo disse...

Compreendo perfeitamente o k sentes. A minha gatinha tb morreu, e eu chorei cm se ela fosse uma pessoa. Por isso: "A casa da saudade chama-se memória: é uma cabana pequenina a um canto do coração".

Beijinhos Vera

Anónimo disse...

o que voce escreveu foi lindo eu adoro cães e tenho um e não sei como seria a minha vida sem ele beijoca